Lévy e a inteligência coletiva

108949O filósofo e sociólogo Pierre Lévy abre janelas para compreender como somos influenciados pela internet e tecnologias digitais.

Não somente usamos as tecnologias que produzimos, nosso desenvolvimento cognitivo e práticas sociais são afetados por elas. O contato com o pensamento de Lévy, me ajudou a observar e compreender melhor o viver acoplado aos recursos tecnológicos conectivos que no dia a dia acompanham e moldam meu trabalho e pensamento: hipertexto, interconexão digital, mecanismos de busca, editores e simuladores gráficos.

No livro A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço”, o autor convida a pensar o impacto das técnicas sobre a sociedade em uma perspectiva antropológica de longa duração, desde o Espaço da Terra, em que nossa identidade e nossos vínculos eram fundados na relação com o cosmos, passando pelos espaços do Território e da mercadoria, até chegar as possibilidades e complexidades de um Espaço do saber, onde somos intelectuais coletivos.

“A dificuldade do Espaço do saber consiste em organizar o organizador, em objetivar o subjetivante. O saber sobre o saber deriva de uma circularidade essencial, originária, inelutável.”

Outras dicas de leituras para o mesmo autor são “As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática”; “As árvores de conhecimentos”; e “Cibercultura”.

Ir para 

A inteligência coletiva no Google Books 
Mais sugestões de leitura 

A beleza dos opostos
Elementos #sentido #propósito #aprendizado #método 

Sobre o almanaque 
Como ler? 
Inteligência sociocriativa 

Envie conteúdos

 

Transgressões convergentes

8575910566Tive o privilégio de presenciar algumas das conversas instigantes e profundas dos autores, os amigos Maria Benites, Bernard Fictner e Wanderlei Geraldi, durante o período de gestação do livro.

Sim, é uma obra sobre educação, mas no sentido mais amplo e profundo da palavra. Sobre um tipo de aprendizagem que expande e liberta.

Segundo os autores, o livro foi elaborado a partir da preocupação constante de “enxergar o verso das questões para nele tecer, com categorias encontradas nos pensamentos de Bakhtin, Vigotski e Bateson, elementos de respostas que sustentem uma prática de relações educativas.”

“Esperamos, com a reunião destes textos, colaborar com a discussão sobre as questões de desenvolvimento, sobre a centralidade da linguagem nos processos de constituição das subjetividades, sobre a importância de ultrapassar os quadros propostos se fazendo acompanhar pelas manifestações artísticas, sobre a imperiosa relação com a alteridade e sobre as disponibilidades que as novas tecnologias estão aportando e que nos provocam pelas práticas que a partir delas estão em construção.

Este é um livro onde louvamos a Transgressão, onde a transgressão e os transgressores são lidos com verdadeira fruição porque somos convidados por eles a transgredir o cânone, a ignorar o mito, a perguntar o simples e, sobretudo, a nos comover com eles (co-mover, mover-nos com). Achamos que talvez seja essa a primeira e última causa do pensar: provocar transgressões, convergir nas margens, voltar e sair com algo parecido a essa liberdade que todos sabem que existe mas que ninguém consegue definir (de-finir, pôr um fim) e que é mais ou menos como a vida.”

Em um dos capitulos do livro os autores abordam a expressão indígena “O passado está na frente e o futuro está na gente”, que me inspira e acompanha desde o momento que a conheci em conversas com Maria Benites. Costumo citá-la em cursos e oficinas ao tratar da relação dinérgica entre os elementos #aprendizado e #sentido.

Ver livro no site da editora
Ir para 

Ver livro no site da editora 
Mais sugestões de leitura 

A beleza dos opostos
Elementos #sentido #propósito #aprendizado #método 

Sobre o almanaque 
Como ler? 
Inteligência sociocriativa 

Envie conteúdos

 

O colar de Harmonia

Filha de Afrodite, divindade do amor, da beleza e da sexualidade na mitologia grega, e de Ares, senhor da guerra sangrenta, a deusa Harmonia, ou Concórdia para os romanos, personifica o perfeito equilíbrio entre o principio feminino e o masculino. Harmonia nasceu de uma traição, visto que Afrodite era casada (contra sua vontade) com o feio e mal-humorado Hefesto, deus da tecnologia, dos ferreiros, artesãos, escultores, do fogo e dos vulcões. Quando chega a época das bodas de Harmonia com o mortal Cadmo, regente de Tebas, Afrodite presenteia a filha com um colar. Feito por Hefesto em uma atitude de vingança, o adorno, ao mesmo tempo em que é capaz de dotar seu portador de uma beleza irresistível, carrega uma terrível maldição. Segundo alguns relatos, ao vesti-lo, Harmonia se transforma em uma serpente, e todos os que vieram a herdar a joia posteriormente acabam sendo destruídos.

Ver Colar de Harmonia em Wikipedia

Ir para

A beleza dos opostos
Elementos #sentido #propósito #aprendizado #método

Sobre o almanaque
Como ler?Inteligência sociocriativa

Envie conteúdos